fbpx

Super dicas de Revit – Série Gratuita

 

Domine o Revit de uma vez por todas 

Parte #2 de 3

Não viu a parte #1? Confira aqui.

 

O segredo escondido no Revit que me ajudou finalmente a usá-lo  

De: Rafael A. Zaccari
São Carlos – SP
08:41 pm

Caro leitor,

Isso mudou minha forma de trabalhar com o Revit, até porque antes eu não tinha um bom computador…

O que eu vou compartilhar com você agora é uma dica extremamente simples, mas que mudou completamente meu trabalho no Revit.

Uma das primeiras coisas que me deparei ao instalar o Revit pela primeira foi que ele era bem mais pesado que o AutoCAD, e como eu não tinha um bom Notebook, vish…

E esse foi até um dos motivos que atrasou minha entrada nesse novo mundo.

Eu pensava: Ah, o Revit é pesado, nem vou instalar ele, vou comprar um PC novo antes.

Vish, se eu soubesse que existia alguns pequenos truques para acelerar o Software, eu já teria instalado bem antes!

No vídeo eu ensino esse pequeno truque.

Mas…

Nesse texto eu vou desmistificar o erro extremo de quem começa a usar o programa.

O maior erro de quem começa no Revit que destrói a produtividade

Sério, na minha opinião é o erro “master” dos iniciantes, e até de alguns avançados por aí…

… E o pior, você pode estar cometendo esse erro neste exato momento e nem sabe.

Eu caí nele por vários meses sem saber, então vamos lá…

O erro mais comum de quem começa no Revit é usar templates desnormalizados.

Vou te explicar melhor…

Preciso que você entenda isso para evoluir, então preste bastante atenção nos próximos parágrafos.

Quando instalamos o Revit pela primeira vez, ele nos oferece a opção de usar o template padrão dele.

Quando estamos começando, nós não sabemos o quanto isso impacta no trabalho.

Até aí normal.

Essa opção default não trás para a gente muitas opções (como você deve ter visto na aula anterior).

Conforme vamos aprendendo, vamos procurando novos materiais na internet.

Se você está nessa aula, com certeza já passou por isso!

Mas é aí que vem o grande problema:

Usar qualquer template que vemos por aí…

O template é a ferramenta mais importante quando estamos começando a modelagem de um novo projeto.

Imagina toda vez que for começar algo novo ter que configurar tudo do zero

Impossível trabalhar assim.

Ou ainda pior, usar configurações prévias que são desnormalizadas ou incompatíveis…

Imagine que nos templates possuem:

  • As famílias

  • Anotações

  • Configurações de vista

  • Cotas

  • TAGs

  • Identificadores

  • Configurações gerais

  • Tabelas

  • E centenas de outros itens importantes…

São justamente esses itens, alinhados com o fluxo do template correto que torna o Revit tão poderoso.

Logo, se você usa qualquer template, ou templates fracos, você perde o mundo mágico que o Revit tem a te oferecer.

Como minha mãe fala: Se não for pra ajudar, não atrapalha.

Continuando…

Depois de certo momento, chega a hora que é necessário sair dos templates gratuitos para os templates pagos.

Maaaaaas…

Nem sempre o que é pago é funcional!

Olha, sou a maior prova viva disso.

Investi mais de R$ 7.000,00 quando comecei, e isso praticamente não me ajudou em nada.

Se você não quer gastar R$ 7.000,00, preste atenção nessas dicas…

Se você leu o texto da última aula, com certeza já percebeu que o BIM não é o futuro, e sim o presente, certo?

E eu falei lá, que o BIM precisa de processos, vou te explicar agora mais ou menos como é parte desse processo dentro do Revit.

Um projeto possui diversas disciplinas, como por exemplo, arquitetônica, hidráulica, elétrica, estrutural, PSCIP, e etc…

E cada disciplina trabalha separada, mas em harmonia entre elas.

Senão as incompatibilidade de projetos seria absurda.

No Revit, é possível você “ligar” todas as disciplinas, para quando você alterar algo em uma, todas são automaticamente atulizadas.

Lindo né?

Imagine que o arquiteto alterou um pouco uma das paredes.

Antigamente, todos os outros engenheiros iriam ter que atualizar seus próprios arquivos para ficar compatível com o arquitetônico…

Isso causa muitos problemas, e tenho certeza que você sabe o quanto.

Se no BIM um dos pré-requisitos é essa divisão de disciplinas, por que diabos tem templates no mercado que contemplam tudo de uma vez?

Aaaaaaah!!!!!!!!

Eu caí no erro de comprar um desses templates que possuía tudo integrado, todas as disciplinas em um único arquivo.

E se arrependimento matasse…

Primeiro que ficava tudo lento.

Cada mínima alteração demorava séculos para carregar.

Eu tinha muito trabalho em separar as disciplinas quando ia mandar o arquivo para outras pessoas.

Fica estranho de se mexer, pois tem um pouco de tudo, mas ele não tem o profundo de nada.

Os produtores que fazem isso mascaram o template para parecer que é ultra completo, eles fazem parecer que tem tudo de tudo, mas no final é só um amontoado de configurações aleatórias.

E sem nenhuma profudidade…

No fim, se você precisa criar um projeto um pouco mais especifico, vai precisar de outro template.

Por isso tenha sempre em mente: Para cada disciplina, um template específico.

Assim fica tudo organizado, a fluidez fica melhor, fica tudo mais limpo.

… E o processo fica correto!

Mas na minha opinião é que ao usar ferramentas específicas, você consegue alcançar um detalhamento incrível de forma automatizada e navegar fundo nos detalhes.

Tenha em mente que aao usar esse tipo de template, além de te atrapalhar, atrapalha os colegas de trabalho…

Continuando…

Depois é só fazer um link entre todos os templates e deixar a mágica acontecer.

Fica leve, sua produtividade aumenta, você é capaz de fazer automação de processos de forma eficiente e o principal:

Você vai estar dando um passo para alcançar o sucesso no BIM.

Claro que o BIM é mais complexo que isso, mas sem isso, ele não existe.

Além disso, use templates atualizados.

É muito comum você encontrar templates no mercado que foram feitos há 5 anos e nunca mais tiveram atualizações consideráveis.

O software muda, os processos mudam, as exigências mudam…

Se tudo muda, por que usar templates desatualizados?

Tenho uma última importante dica hoje.

Se você não for tão iniciante e já use o Revit de forma ativa, provavelmente já deve ter investido em material pago.

E caso já tenha investido, preste muita atenção (e se não investir, também preste, para já começar com o pé direito):

Não tenha medo de mudar.

Por mais que você já tenha comprado um template ou biblioteca de famílias, o material que você está usando pode estar dentro dos problemas que citei.

E a única forma de saber é testando um novo material…

Você pode estar pensando: Ah, eu já paguei caro por isso, vou pagar de novo?

Quero que você pense de outra forma:

“Eu paguei por algo que está me atrasando, quanto eu já perdi de tempo e dinheiro com isso?”

Exatamente, se você está usando um material fraco, está jogando seu tempo fora…

Um tempo que você poderia estar usando para fazer coisas verdadeiramente importantes na sua vida!

É justamente por isso que eu e minha equipe trabalhamos diferente de tudo e todos!

Nós damos 30 dias de garantia para o cliente, se ele não amar, ele não paga…

Sim, ou o cliente tem a certeza que esse é o melhor template que ele já usou, ou devolvemos cada centavo dele.

Simples assim, sem letras miúdas.

Agora que você já sabe o que precisa para começar a dominar o BIM e estar a frente do mercado, falta o assunto da nossa próxima aula.

Além da dica que vou te enviar amanhã, eu preparei um presente para você que está acompanhando essa série gratuita alavancar ainda mais seu conhecimento e suas habilidades.

Então se atente ao seu e-mail para não perder seu presente.

Um grande abraço,

Rafael A. Zaccari